O modelo de gestão da Rota Vicentina

6 minutos de leitura

No dia 22 de Junho reunimos um grupo de 20 Associados da Rota Vicentina para olhar para a Associação, 9 anos volvidos desde a sua fundação, 10 anos depois do lançamento dos primeiros trilhos. O objectivo foi o de olhar para o propósito, questioná-lo e revê-lo, ampliá-lo, à luz da nova realidade do território, do turismo, da rede de associados, do mundo.

Começámos por fazer um breve ponto da situação a partir do quadro financeiro: em números gordos, qual a estrutura de custos da Associação? Quais os custos fixos e de funcionamento e quais os compromissos de investimento em curso? Quais as receitas próprias, os apoios públicos regulares e o enquadramento dos programas de financiamento na orgânica da associação? Quais os principais activos e o que eles exigem em termos de manutenção, gestão, valorização? Qual o peso dos custos com a equipa e qual a prioridade no curto e médio prazo?

Depois de um curto balanço de forças e fraquezas, lançámos 4 questões para um debate alargado, que procuravam reunir os aspectos mais relevantes da vida da associação, dos associados e do território. Procuro resumir as principais ideias que resultaram:

1. Perante tantos desafios, qual o propósito emergente que queremos destacar?Uma maior foco no turismo nacional com um esforço concertado de valorização do sudoeste como destino turístico sustentável, envolvendo as empresas da rede e a comunidade na concretização de um compromisso colectivo com o futuro; Garantir crescente robustez e autonomia no processo de decisão.

2. Como podemos ajustar o actual modelo/sistema de liderança e funcionamento interno às necessidades reais?

Forte investimento na Área Comercial, na equipa em geral e na estrutura financeira da Associação. Maior envolvimento dos Associados e co-responsabilização na dinâmica da Associação a partir de uma maior proximidade da equipa ao terreno, da identificação dos vários interesses e da estruturação de um esquema flexível e modular de participação. Reforçar proximidade com grupos e entidades de defesa do território para potenciar efeito de lobby.

3. Qual o potencial de diversificação e desenvolvimento das sinergias, parcerias e financiamento?              

A Rota Vicentina como elemento agregador do território. Várias possibilidades de reforço de financiamento a serem trabalhadas gradualmente, com donativos/crowdfunding e quotas de novos associados com maior potencial de curto prazo, mas também linha de merchandising sustentável, royalties, consultoria benchmarking e prestação de serviços, patrocínios/mecenato (sem risco de green/social washing), eventos pagos, app paga, etc. Aproveitar apetência para voluntariado e estágios, parcerias com universidades, produtores e restaurantes, grupos de proximidade geográfica, etc.

4. Qual o papel da associação na pegada eco-social da dimensão turística da RV? E no desenvolvimento sustentável da região?

Ser uma referência de boas práticas e “estatuto verde como um luxo” a partir do Turismo de Base Comunitária, inspirando os investimentos do território, alimentando partilha de casos entre associados e com outras empresas e destinos. Estimular economia circular dentro do circuito turístico. Investir em comunicação consciente para visitantes, empresas locais e comunidade residente; integrar bem estar físico e emocional como parte do conceito de sustentabilidade; vertente ambiental com recurso a voluntariado, investindo gradualmente em soluções rentáveis para responder aos problemas ecológicos; reforçar pressão de lobby para reduzir forças que fragilizam património local.

O resultado foi a compilação de várias ideias para o desenvolvimento e fortalecimento da Associação e a noção muito clara de que é necessário manter o foco, estabelecer prioridades e reforçar a capacidade de execução.

Foram eleitos 3 temas a que dedicámos mais atenção, sendo que muito ficou ainda por discutir:



  • Sustentabilidade Financeira
    Maior investimento na equipa e identificação das várias fontes de financiamento a investir.



  • Capacitação
    Sobretudo na partilha de boas práticas e dicas de negócio, também junto dos caminhantes e turistas, nas escolas para incentivar “amor à terra”.



  • Maior Envolvimento da Comunidade
    Associados embaixadores, juntas de freguesia, escolas, promoção sobre actuação da Rota Vicentina.


Facilmente se conclui que os vários temas se cruzam, mas que é importante procurar sistematizar áreas de actuação. E potenciar a capacidade de liderança da própria associação, pela voz e pela mão dos seus Associados. Assembleias-gerais são importantes, mas a Rota Vicentina tem um enorme potencial de agregar valor ao território e às empresas da rede que carece de mais e melhor articulação conjunta. Esse pode ser o grande propósito desta nova fase da Rota Vicentina: assegurar um desafio territorial enorme a partir de uma crescente capacidade agregadora e a partir da inspiração de Associados, parceiros e comunidade. Soltar as amarras dos processos formais e garantir formas inovadoras de chegar às reais necessidades e expectativas de cada um.

Acredito que estamos no bom caminho, mas não duvidemos por um minuto de que todos somos poucos para avançarmos ao ritmo que a realidade nos exige… Este texto é também um exercício de partilhar a construção da estratégia desta Associação, a que se seguirão vários momentos abertos a Associados, parceiros e à comunidade.

Lançámos “A Rota Mais Próxima” na FACECO e vamos andar a seguir feiras e eventos e também a lançar datas próprias para chegarmos a cada localidade e trabalharmos com todos, à porta de casa.

Contem connosco, contamos convosco!

Tags:

Marta Cabral

Nasceu em Lisboa no ano de 1975. Na Associação Rota Vicentina assume o papel de Presidente da Direcção. Nos tempos livres, gosta de caminhar, andar de bicicleta, ler, yoga, silêncio e festas!

As nossas sugestões

30 Jan 2023 Aviso Viagens

Algo correu mal? Conte-nos tudo!

Partilhe connosco o problema que encontrou nos trilhos da Rota Vicentina.

Irene Nunes
04 Nov 2022 Artigo Estratégia & Sustentabilidade

Quer ajudar a Associação Rota Vicentina? Faça um donativo!

Pode ajudar a Rota Vicentina com o seu tempo, de forma pontual ou contínua, ou com um contributo financeiro, através de um donativo.

25 Out 2022 Artigo Viagens

Onde comprar mapas e guias da Rota Vicentina?

Está a planear a sua caminhada no Trilho dos Pescadores ou no Caminho Histórico? Saiba onde encontrar os mapas e guias de campo oficiais da Rota Vicentin[...]

10 Out 2022 Aviso Viagens

Aviso aos caminhantes: corte de árvores em S.Martinho das Amoreiras

Há um corte de árvores que dificulta passagem no Percurso Circular S. Martinho das Amoreiras.

Irene Nunes
04 Out 2022 Clipping Viagens

Rota Vicentina no jornal britânico The Guardian

Jornal britânico “The Guardian” destaca Rota Vicentina como um dos melhores destinos de caminhada na Europa.

Beatriz Silvestre
05 Ago 2022 Artigo Comunidade

Na Agenda Rota Vicentina, cabe tudo e mais um par de botas!

A Agenda da Rota Vicentina celebrou 2 anos e neste artigo mostramos tudo o que nela cabe! Spoiler: é mesmo tudo e mais um par de botas!

Delphine Attali

Subscreva à nossa newsletter

Continue a fazer scroll para ver o próximo artigo
05 Ago 2022 Artigo Comunidade

Na Agenda Rota Vicentina, cabe tudo e mais um par de botas!

3 minutos de leitura Clique para continuar a ler